Citricultores aprovam a proposta

Se por um lado a proposta de lei de número 2229 de 2015 fortalece a campanha pelo consumo de bebidas mais saudáveis, a renovação da lei também é saudada pelos citricultores do interior do estado de São Paulo. O consultor em citricultura, Arlindo Salvo Filho, expressa sua satisfação com a ideia. “Atualmente temos uma cadeia produtiva composta por pequenas fábricas no nosso estado. Elas produzem 15 milhões de caixas de laranja a cada safra. A lei Miguel, como estamos chamando, será benéfica. Vai movimentar mais de 400 mil trabalhadores diretos”, explica. Segundo o consultor há mais de 6 mil citricultores e 20 fábricas de processamento de cítricos espalhados pelo estado.

O produtor Antônio Carlos Simonetti elogiou a ‘Lei Miguel’. “É uma luz no fim do túnel para todos nós, pequenos e médios produtores. Estamos enfrentando uma forte concorrência há anos no setor. Lidamos com altos custos de insumo, além de elevados investimentos para combater pragas. Com a modernização da lei, obrigando os 20% de suco nos refrigerantes, vamos conseguir aumentar a nossa produção. Eu apoio esta ideia”, atestou Simoneti que pertence à quarta geração de uma tradicional família produtora de laranja.

O projeto de lei será encaminhado em um prazo de um mês pela Presidência para análise das comissões competentes.

Mais Artigos